terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Máquinas de costura - as pioneiras no Brasil

Grandes marcas possuíam escritórios de vendas e distribuição de máquinas de costura  aqui no Brasil.

O primeiro ponto de vendas da SINGER Sewing Machine Company  no Brasil foi instalado na Rua do Ouvidor, no Rio de Janeiro em 1858.
Julho de 1926 -  VIDA DOMÉSTICA ed.101
As Lojas SINGER  espalhadas pelo Brasil ofereciam cursos gratuitos de costura e bordado a máquina.


Agosto de 1940 - Ed. 3267 de A Notícia



Em 1940 a novidade eram os motores elétricos Singer que "adaptados a qualquer marca de máquinas de coser" e que "reduz a metade o trabalho de quem costura".



A partir de 1941  os anúncios das Máquinas de Costura SINGER passam a ser mais frequentes.

Janeiro 1941 - VIDA DOMÉSTICA 

Em 1944 a RENNER utilizava o slogan:  "Pioneira no Brasil para o Brasil".

Em 1947 vários anúncios divulgavam as vantagens da Suiça ELNA - "a máquina de costura perfeita".

1947 - Jornal das Moças



A partir de 1948 as propagandas das Lojas SINGER diversificam os produtos "onde se encontra todo material para costura, além de cursos de Corte, Costura e Decoração do Lar, e aprenderá a tirar o maior proveito de sua Singer"



Entre 1940 e 1949 eram comuns os anúncios das marcas  PFAFF, HUSQVARNA, GE, SIGMA, e SINGER - "o nome garante o produto".

À partir de então  percebendo o grande potencial do mercado brasileiro  várias empresas abriram suas fábricas em nosso território.

Em 1953 estimava-se que 10.000 máquinas de costura eram vendidas mensalmente no Brasil. 

E todas as empresas  enfatizaram ou enfatizam até hoje que foram as pioneiras.

Entretanto, a primeira industria de máquinas de costura, aberta aqui no Brasil e em toda a América Latina  foi a GUARANI, fundada em 1932 e que em 1936 foi incluída ao poderoso grupo Renner. A empresa MÁQUINAS DE COSTURA RENNER, instalada no bairro de Navegantes em Porto Alegre - RS desde o início procurou ela mesma fabricar todo o maquinário utilizado na fabricação das máquinas de costura.

Abril  1943  - Correio da Manhã  - Máquina de Costura Renner 
















Uma nota no jornal  Diário da Manhã de 24 de dezembro de 1937 informa que as máquinas produzidas pela Renner eram fabricadas com material nacional de primeira qualidade desde o aço e ferro fundido e além da estética e elegância de suas linhas, poderiam ser observados dois melhoramentos devidamente patenteados: Freio de direção que não existia em nenhuma outra máquina de costura; e seu madeiramento, com mesa de fechamento sem saliências nem reentrancias, inteiriça e lisa, de estilo sóbrio e moderno. As máquinas estavam em exibição na Casa Renner.  
Em 1940 as máquinas de Costura RENNER já estavam sendo exportadas para o Paraguai e em 1941 para a Argentina.

A empresa começou produzindo 200 máquinas por ano e em 1950 produzia 300 máquinas de costura por mês exportando 100 delas. 

Agosto 1953 - Anúncio VIGORELLI 
CORREIO DA MANHÃ
A marca
VIGORELLI pertencia a empresa Importadora, Comércio e Indústria Francolite Ltda, fundada em 1947 e que importava e comercializava máquinas VIGORELLI italianas.

 Em 1951 a empresa  comprou a patente e adquiriu um  grande terreno  em Jundiaí – SP dando início a construção do parque fabril.
Em 27 de Abril de 1953  se transferiu para a nova fábrica que foi inaugurada oficialmente no início de Maio,  produzindo então 40 unidades por dia.
O Slogan da Vigorelli era:
"A máquina de costura que dura uma eternidade."
Faleremos mais sobre a Vigorelli em breve.


Maio 1953 - Comunicado ELGIN - O DIA ed 9317  











A ELGIN se instalou em Mogi das Cruzes – SP em 1952, iniciando a produção de máquinas de costura em 1953.

Em 1954 começam os anúncios de suas máquinas de costura nos principais jornais do país. 


Em 1951 a MAF é a distribuidora das máquinas japonesas JUKI e MITSUBISHI e em 1952 também das italianas NECCHI.

1956 - LEONAM - A NOITE ed.15463





Em 1954 a MAF iniciam a fabricação das Máquinas de Costura LEONAM na fábrica da Rua Fáustolo no bairro da Lapa em São Paulo, capital.
Em 1956  a empresa fabricava 250 máquinas de costura por dia, com previsão de chegarem a 800 máquinas diárias até o final do ano e já pensando em exportação com a saturação do mercado interno. Anúncios e artigos de jornais da época salientavam que a máquina da MAF era a única do país com a linha de produção completa para as máquinas, desde a fundição de peças até o produto final, produzindo inclusive de 15 a 18000 agulhas por dia.
Em 1957 anunciavam que já haviam produzido mais de 300.000 máquinas.
Em Abril de 1958, iniciaram as exportações, sendo a primeira de 10.000 máquinas para os Estados Unidos onde a empresa abrira um ponto de vendas.

Julho 1958 - LEONAM  especial LUXO -  ALTEROSA ed 0285
A título de curiosidade transcrevo abaixo o texto contido na tarja preta deste anúncio:
"Maf transforma tôda a matéria prima necessária em máquina acabada!
Maf é a 3ª fábrica de máquinas de costura do mundo! A 1ª das Américas do Sul e Central !
Maf fabrica 1 LEONAM em cada 45 segundos!"

Além da LEONAM,  a MAF também fabricava e comercializava outras marcas como a MERCURY, a estrutura da máquina de costura era a mesma apenas mudavam os decalques da pintura e o nome.

Junho 1955 - Fábrica da SINGER em Campinas -
VIDA DOMÉSTICA ed 447
Em 1954 com a razão social Cia. Industrial Palmeiras de Máquinas e Móveis teve inicio as instalações da  fabrica da SINGER em Campinas - SP. sendo inaugurada em  18 de maio de 1955  prevendo uma produção 100% brasileira a partir do mês de Julho desse mesmo ano.  Produzindo 3 modelos de máquinas: portátil; com pedal; e, com gabinete elétrico. Além de fabricarem motores e agulhas para máquinas de costura. 

"Estão portanto , de parabéns, as senhoras brasileiras: Singer nacionalizou-se para mais facilmente serví-las."


Quanto aos motores para máquinas de costura, em 1955 a Walita inicia a divulgação dos Motores Walita para qualquer máquina de costura. Assim como a Arno que informava ser o seu motor mais potente e silencioso. Sugerindo "Faça o teste do pedal". Em 1957 é a vez da Siemens entrar no mercado de motores para Máquinas de Costura,

Em 1956,  O Correio da Manhã  em artigo denominado Resenha Econômica Paulista informa que  a produção brasileira de Máquinas de costura superava a produção da Suíça, Itália e Espanha. Com uma produção diária  de 1500 máquinas ou 40.000 por mês, produção esta que superava o consumo interno, que girava em torno de 250 a 300.000 por ano. O artigo relaciona a produção diária das seguintes empresas:

MAF - Manuel Ambrosio  Filho S. A. - Máquinas Leonan  – 200 unidades diárias

Imp. Comércio e Industria Francolite Ltda - Máquinas Vigorelli – 200 unidades diárias

Cia. Ind. Palmeiras  - Máquinas Singer – 200 unidades diárias

Importadora  Americana – 150 unidades diárias

Elgin Fábrica de Máquinas de Costura S. A. – 140 unidades diárias

Irkopp Fabrica de Máquinas de Costura – 100 unidades diárias

Mercantil Suíssa Ind. E Com. S.A.- Máquinas Mercswiss – 100 unidades diárias

Ibramac  - Ind. Brasileira de Máquinas de Costura -  distribuidora das Máquinas Necchi,  King e Elna – 100 unidades diárias

Fábrica de Máquinas de Costura Renner – 70 unidades diárias

Cia. Rossini de Máquinas – 50 unidades diárias

Soc. Imp. Com. De Máquinas  Soincon Ltda – 40 unidades diárias

Importadora Industrial de Máquinas de Costura Ganfi Ltda – 20 unidades diárias

Note-se porém que muitas delas eram importadoras e que provavelmente  ainda em 1956 importavam as peças para a montagem das máquinas aqui no Brasil.

Em 1962 a produção de máquinas de Costura no Brasil era a 4ª no mundo.   superado apenas por Japão, Alemanha Ocidental e Itália. - Mundo Ilustrado Ed 244 – Setembro 1962


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...